A revolução operada na em Portugal pela OPGBAC - Associação Cultural de Plectro no que diz respeito à música de corda beliscada é algo incontornável. O Festival Internacional de Música de Plectro é uma das nossas maiores apostas, pois permite ao público ter contacto com o que de melhor se faz a nível mundial nesta área.

Historial

No primeiro ano do Festival Internacional de Música de Plectro (2012), foi possível trazer a Portugal talvez o mais reputado grupo de música de plectro barroca, o Artemandoline Barroque Ensemble, onde numa chuvosa noite de Outubro se conseguiu uma assistência a rondar as 500 pessoas. 

A segunda edição do Festival, em 2013, realizou-se durante todos os fins-de-semana do mês de Outubro. Sempre aos Domingos às 18h, em 4 auditórios do Município da Maia, que receberam 4 reputados grupos de renome mundial.

Em 2016, com a Associação sediada em Rio Tinto, realiza-se o Festival Internacional de Plectro "Concelho de Gondomar", que se realizou entre 8 e 10 de Julho em diversos espaços do município de Gondomar, com concertos, oficinas, masterclass e conferências. 

A sua 4ª edição teve lugar em Gondomar a 23 de setembro de 2017, e esteve repleta de novidades que permitiram adequar o FIMP à dinâmica cultura de Gondomar.
Porque consideramos que o FIMP tem um potencial enorme devido às características singulares que o diferenciam, sendo o único festival de Música de Plectro do País, quisemos associá-lo à marca “Gondomar é D’ouro”. Ao associar o FIMP a uma marca forte e reconhecida internacionalmente como a de Gondomar, acreditamos fazer de Gondomar também a Capital da Música de Plectro.
A edição deste ano contou também com a estreia de um novo formato: 5 eventos praticamente consecutivos, em 5 locais diferentes realizados num intervalo de 7 horas. Este novo formato do FIMP adequou-se bastante bem por ter estado, nesta edição, inserido nas Festas de Gondomar, e ter permitido imprimir uma dinâmica cultural extraordinária ao oferecer uma programação heterogénea em locais tão distintos quão foram o Salão Nobre da Câmara Municipal, o extraordinário anfiteatro ao ar livre do Largo do Souto, o moderno Auditório Municipal, o acolhedor Passeio 25 de Abril, e a histórica e bela Casa Branca de Gramido. Todos os eventos foram gratuitos para o público. Esta edição estreou também a componente de Animação de Rua. No meio do Passeio 25 de Abril foi formada uma Roda de Choro, de participação livre e informal, que acolheu músicos oriundos de Portugal e Brasil. Esta atividade ocorreu ao final da tarde e animou quem por lá passou, incluindo
público e artistas participantes no festival.

Esta edição contou então com a participação dos grupos Guitarcelo Trio, Os Lusíadas, Choro das 3 (Brasil) e de Júlio Pereira.

Com o enorme sucesso da Edição 2017 do Festival Internacional de Música de Plectro, ficamos com o dever de elevar a fasquia. Temos noção do impacto a nível mundial que trouxemos ao Concelho de Gondomar que pretendemos melhorar na edição de 2018. Com a experiência obtida no ano anterior, o formato deste evento foi otimizado em conjunto com o Município de Gondomar, de forma a garantir uma melhor qualidade na sua implementação e contribuir positivamente na consolidação deste festival.

Nesta edição foram mantidas as características do formato do festival: 4 eventos consecutivos, em 4 locais diferentes, mas próximos a partir de um ponto central, realizados entre as 15h e as 22h ao longo de um mesmo dia. A programação heterogénea proposta pela Direção Artística do festival foi distribuída pelo Terraço da Biblioteca Municipal de Gondomar Camilo de Oliveira: Amadeu Magalhães (PT), no salão da Biblioteca Municipal de Gondomar Camilo de Oliveira: Orquesta de Plectro Y Guitarra "Cuerda para rato" (ES), no Auditório Municipal: Pedro Caldeira Cabral (PT), e na Casa Branca de Gramido: Quatuor à Plectres de France (FR).